Skip to content

Freitas do Amaral critica “ditadura” franco-alemã

Novembro 28, 2011
tags:

Económico com Lusa
28/11/11 16:49

 

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros considera que estes dois países lideram contra princípios democráticos e em “pura ilegalidade”.

Diogo Freitas do Amaral considerou diz que a União Europeia vive sob uma “ditadura” franco-alemã e que estes dois países lideram contra princípios democráticos e em “pura ilegalidade”.

Numa conferência sobre os 25 anos da adesão de Portugal à União Europeia, o antigo governante e fundador do CDS teceu críticas aos dirigentes europeus e à sua atuação face à crise, mas foi especialmente duro relativamente à chanceler alemã, Angela Merkel, e ao presidente francês, Nicolas Sarkozy.

Freitas do Amaral condenou as “intervenções de Bruxelas” e de “um ser híbrido a que chamam ‘Merkozy'” nos orçamentos e na condução das políticas nacionais, afirmando que isso “não é federalismo, nem democrático”.

“Isso é uma pura ilegalidade geral na União Europeia, não se respeitam as competências nem do Conselho, nem da Comissão, nem do Parlamento Europeu”, disse, num debate subordinado ao tema “A Europa que sonhamos”, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde participaram o socialista Medeiros Ferreira, o ex-presidente do Parlamento Europeu Jose Gil-Robles, o professor Paulo Pitta e Cunha
e que foi moderado pelo jornalista Ferreira Fernandes.

Na opinião de Freitas, hoje há “um conjunto de países democráticos governados por uma ditadura de cima para baixo”.

“É capaz de ser imperialismo, hegemonia, colonialismo, protetorado, mas o que temos é uma ditadura de dois chefes de estado ou de governo a mandar em dezenas de países”, reforçou.

“Tudo bem se estiver nos tratados e se as autoridades que nos fazem essas imposições tiverem sido eleitas democraticamente. Desculpem-me esta nota de pessismo, mas isto é o contrário do sonho, é o pesadelo”, rematou.

Na sua intervenção, o catedrático da Universidade de Direito disse ter sido sempre um defensor do federalismo europeu e revelou ter sonhado com uma Europa “grande”, que pudesse “dialogar quase de igual para igual com os Estados Unidos e a Rússia”.

Freitas considerou ainda que a União Europeia não soube evoluir a nível político como evoluiu ao nível do Direito e judicial.

O antigo governante defendeu um “federalismo democrático”, onde, por “sufrágio direto e universal”, os cidadãos pudessem eleger um primeiro-ministro a nível comunitário, e também um reforço da Comissão face ao Conselho Europeu.

“Sei que já não vai ser nada minha vida”, concluiu.

 

 

No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: